Editorial

É com muita satisfação que a direcção do STARQ dá a conhecer o segundo número do nosso boletim. A mais evidente mudança prende­se ao nome, de “O colherim” para “Interface”. Há vários anos a EPA ­ Escola Profissional de Arqueologia – do Freixo mantém uma publica­ ção com o mesmo nome de nosso primeiro nú­ mero, por isto nada mais justo que buscarmos outra inspiração. Sabemos bem como as interfaces são fundamentais na explicação das rela­ ções estratigráficas, pelo que trabalhamos para que possamos aqui debater, reflectir e informar sobre outro tipo de relações, as laborais.

Por outro lado, entre os curtos dias de Dezembro e o meio deste ano os Trabalhadores de Arqueologia avançaram em sua organização e luta por um sector da Arqueologia mais justo. Continuamos a defender os trabalhadores através de nosso apoio jurídico, e igualmente continuamos a dialogar com as empresas e o Estado de maneira a melhorar as condições de trabalho em Arqueologia. Neste sentido, é impossível não destacar um feito histórico, a primeira Greve específica de Trabalhadores de Arqueologia. A Greve dos Trabalhadores de Arqueologia da DGPC, que decorreu no dia 23 de Abril, foi o resultado de um grande esforço, coragem e determinação destes trabalhadores,

que decidiram democraticamente lutar pelos seus direitos e pelo Património Arqueológico. Coube ao STARQ dar todo o apoio possível nesta acção por uma Tutela mais forte, sustentada em trabalho justo para todos. A luta pela contratação de profissionais teve um papel de destaque, dado o descaso e desinvestimento que tem atingido a Tutela nos últimos anos. Temos consciência que os resultados não são imediatos, mas já começam a surgir, nomeadamente através da contratação por mobilidade de 3 arqueólogos. Ressaltamos ainda que as negociações com a Secretária de Estado da Cultura continuam.

Por fim, no dia 30 de Março o STARQ comemorou o seu aniversário de 7 anos no Museu Nacional de Arqueologia. Foram 7 anos de resistência celebrados através da mesa redonda “Percursos do Trabalho em Arqueologia”, que contou com a ilustre presença dos arqueólogos José d’ Encarnação, Susana Correia, Rui Morais e Liliana Matias Carvalho. Ainda há muito para avançar, mas nunca fomos tão fortes neste desafio. Viva o STARQ! Viva os Trabalhadores de Arqueologia!

(R.B.)

boletim-STARQ-002